Sonekka, antes que o amor acabe.

Compositor de mais de mil canções, algumas gravadas por nomes do porte de Luiza Possi e Sá & Guarabyra, o cantor e compositor Sonekka acaba de lançar um novo single, Over rio (Antes que o amor acabe), nas plataformas digitais. Nesta curta entrevista de duas perguntas, ele fala de mais esta parceria com o letrista Zé Edu Camargo e das novidades para 2018.

Clube Caiubi – Fala um pouco pra gente sobre este trabalho recém-lançado, o single Over rio (Antes que o amor acabe).

A canção surgiu já faz alguns anos na ativíssima lista de internet M-música. Na lista formada em sua maioria por cariocas estava rolando uma discussão sobre o Rio de Janeiro e suas mazelas, São Paulo e seus problemas sociais também numerosos. O problema é que a certa altura os cariocas começaram a dar o braço a torcer de que o Rio estava com muitos mais problemas, aí o flanco paulistano da discussão se sentiu irmanamente dolorido e começou a sessão de “deixa disso, tem muita coisa boa ainda”. Assim nasceu Antes Que o Amor Acabe, uma ode ao Rio de Janeiro que apesar de lanhada pelos sucessivos governos ruim ainda conserva a essência da poesia e da beleza.

A letra foi escrita pelo Zé Edu, toda baseada no papo e musicada mim. A data da gravação meio que se perdeu no tempo, mas é parte de um ensaio no estúdio que veio a se tornar o show Dois em Outras. O show teve uma única apresentação, no Ao Vivo Music, e assim como o Dois em Umas, foi formado apenas por canções do duo Sonekka/Zé Edu, salvo uma ou outra “triceria”. Esse show teve participação de Nando Lee, Fábio Schmidt, Ricardo Bocate, Zé Walter e Adryana Ribheiro.

O single foi lançado em dezembro de 2017 e o título Over Rio foi ideia minha, queria um nome que remetesse ao Rio de Janeiro e despertasse mais interesse nas buscas no Spotify.

Clube Caiubi – E como estão seus planos para 2018?

Sabemos que existe um distância abissal entre plano e concretização. Que projeto é uma coisa e obra é outra, A ideia é focar em lançar singles sempre que possível. Como somos compositores prolíficos, podemos e devemos transformar as composições em fonogramas que possam chegar de alguma maneira ao interesse de intérpretes. Isso tem sido feito com canções novas e no resgate de antigas também.

O Álbum de meu com a Renata Pizi ficou no freezer por um ano, por motivo de força maior, e deve voltar à tona em 2018, por motivo de força maior ainda: o desejo de realizar.

Zé Edu deve encarar os estúdios para lançar o seu Avoantes, um projeto de canções inspiradas em pássaros, de amplo interesse da comunidade de birdwatching.

O treino principal é orientar a obra à singles e vídeos porque assim tem funcionado a audiência.

Outro projeto em avançado estágio de produção é o Curso de Composição Popular, que teve seu primeiro módulo de 16 aulas gravado em dezembro e deve chegar ao público interessado em meados de março, após edição e enriquecimento do material. O curso aborda o ofício de compor, mostrando em aulas sucintas as técnicas mais conhecidas e indicadas para quem deseja compor. Eu ministro a parte de melodia e Alexandre Lemos fala do desenvolvimento de letras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *