O Que Vem Por Aí: Outros Caminhos de Adolar Marin

Neste episódio desta nossa série, em que cobrimos as aventuras em estúdio da galera independente, o compositor paulista Adolar Marin fala das gravações de seu novo trabalho.

Clube Caiubi – O que vêm por aí?
Adolar Marin – Estou terminando de gravar um punhado de canções no estúdio Canto da Coruja, em Piracaia, no interior de São Paulo. Fica no meio do mato, num sítio com lago, árvores, cavalos, passarinhos, marrecos, gatos, galinhas e cachorros, muito diferente do clima de correria das gravações feitas nos estúdios das grandes cidades, com seus horários rígidos e coisa e tal. Um astral muito tranquilo mesmo. Esses sons farão parte do meu 4º. CD, Outros Caminhos.

Clube Caiubi – De onde veio a inspiração para o projeto?
Adolar Marin – Surgiu da parceria musical que tenho com o Flávvio Alves, que é poeta, letrista e produtor. Depois da nossa primeira canção, Compostelana (que estará presente no CD), não paramos mais de fazer música, foi uma sintonia total. Em seguida, o Flávvio me sugeriu a gravação de nossas crias no Canto da Coruja, com produção dele e do pessoal do estúdio. Sem pressa e nesse clima bucólico total. Topei na hora.

Clube Caiubi – Quem está trabalhando junto com você neste projeto?
Adolar Marin – Bem, o Flávvio produz e tem a colaboração do povo do estúdio com arranjos, sonoridades, ideias gerais. Na verdade, é produção e coprodução. E é uma moçada hipercompetente. Entre eles, o Ricardo Prado, que é produtor, multi-instrumentista e um dos proprietários do Canto e o Estevan Sinkovitz, grande músico que conheço e admiro há muito tempo e que é sócio do Prado. Acho que estou em boa companhia, né?

Clube Caiubi – Quando rola?
Adolar Marin – Deve estar em mãos em julho deste 2018. Mas deve acontecer uma prévia nas plataformas digitais para a gente degustar antes.